sábado, 26 de dezembro de 2009

Não vão ao médico, não! Ou também querem desaparecer?

«Desde que o mundo é mundo que existem homem e mulher. Se a homossexualidade evoluir acaba a humanidade», frisou, não escondendo a sua posição sobre este tipo de ligação conjugal. «Não se pode misturar as coisas, pelo que a sociedade tem de escolher a sua cultura. Temos de decidir o que é normal em Portugal, mas, na minha opinião, a pedofilia e a homossexualidade são perturbações psicológicas», frisou, concluindo:

«Sob ponto de vista psicológico e científico existem órgãos definidos que definem a complementaridade entre homem e mulher e isso que é que faz evoluir a humanidade».

Aqui http://www.tvi24.iol.pt/esta-e-boca/homossexualidade-gay-casamento-gentil-martins-tvi24/1111861-4087.html

E acusam os do contra de não terem argumentos de peso? Mirem-se nestes. E toca a complementar os órgãos, fazendo o favor de serem cultos. Sejam normais, porra!

3 comentários:

ETERNUM disse...

O direito assiste-lhes tomarem as opções sexuais que entenderem... mas acabará a humanidade sim.. por esse motivo.. e pelo facto dos casais mais jovens heterossexuais cada vez optarem por terem menos filhos.. ou mesmo não terem.. as condições económicas e sociais de alguns países não facilitam o aumento das taxas de natalidade nem políticas natalistas que muitos governos adoptam. Será que temos de continuar a "importar" a população dos vários cantos do mundo soprepovoados.. para minimizar esta problemática e "engrossar" as taxas demográficas em portugal??? Um problema grave que pode trazer enormes consequências também de âmbito social a médio prazo...
A ponderar....

A. Moura Pinto disse...

Esmiucemos a questão ETERNUM:
- Não é da responsabilidade de ninguém em concreto garantir a preservação da humanidade. E isto afirmo-o em nome da liberdade de cada um em se auto determinar. Assim sendo, menos ainda caberá aos homossexuais garantir o que deve estar ao cuidado dos heterossexuais, sem prejuízo da liberdade destes em decidir como muito bem entenderem.
- Historicamente, não se prova que a evolução da homossexualidade (nem sei se há um não evolução, no sentido de serem cada vez mais) seja responsável por algum fenómeno de natureza demográfica. São-no as guerras, as epidemias, as catástrofes naturais, eu sei lá! E, na Bíblia, Sodoma e Gomorra tiveram que ser destruídas pela ira de Deus, talvez por este não acreditar que o seu fim se atingiria deixando as coisas percorrer o seu caminho;
- Não se parece que a homossexualidade tenha a ver com a qualidade das políticas orientadas em favor da natalidade; melhor: uma coisa nada tem a ver com a outra;
- E também nada tem a ver com fenómenos da emigração porque, quando mais não seja, a homossexualidade é fenómeno universal; assim, tanto podemos ter homossexuais emigrantes como imigrantes;
- Mas, quanto aos fenómenos migratórios, e ainda em nome da liberdade de cada um, não me parece que deva caber aos homossexuais evitar por si a necessidade de acolhermos imigrantes; e, como a referência tem algo de xenófobo, convém não esquecer que temos muitos mais emigrantes que imigrantes, não devendo desejar para estes o que entendemos não se dever fazer contra os primeiros.

Anaquariana disse...

Completamente de acordo Azereiro.
Subscrevo inteiramente.
Um grande abraço e um Bom Ano, com mais confiança e que as mentalidades se abram ás diferenças porque é nas diferenças que fazemos verdadeiramente a diferença.