segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Ó Mano Pedro, meu caríssimo MP...

...Como é que é? Então um gajo apanha uma boa meia dúzia de anos de prisão, daquelas bem medidas ou bem pesadas e tu, MP, vens com esse prurido dos vídeos que, parece, sustentam a prova com que mandas o gajo ver o céu aos quadradinhos?

De que te envergonhas, Mano Pedro, caríssimo MP? Do som? Da imagem? Dos planos? Da edição pouco cuidada? Mas isso não serão pormenores já que os vídeos serviram, entre outras coisas, para sustentarem a porrada da pena aplicada por tua sugestão, a teu pedido?

E agora temos que ignorar aquelas barracadas da identificação dos locais dos crimes?

Ah! Estará a utilizá-los sem pagamento de direitos de autor? Mas aquilo merece mesmo pagamento seja do que for, quando são uma dor de alma?

Mano Pedro, caro MP, aguenta a bronca. E se antes passou cá para fora tanta coisa, se já papámos tanta infracção ao segredo de justiça e para o quê nem um culpado se arranjou, que é isso de se vir com a desobediência qualificada por quem quer provar que o rei vai nu? É que se provar que o rei vai nu, talvez tenhamos um bom motivo para recuperar a indústria de lanifícios, tantas serão as partes pudibundas a cobrir.

E vem aí o Outono / Inverno, Mano Pedro. Aproveita…


1 comentário:

Arriaga disse...

Não tenho, como sabes, do Carlos Cruz outro conhecimento para além do que me foi dado ter através da televisão. A simpatia resultava apenas dos bons momentos que me proporcionou enquanto telespectador.
Perante a monstruosidade do que vinha sendo acusado, sempre desejei que ele fosse efectivamente culpado (que tivesse sem qualquer margem para dúvidas participado nos factos de que é acusado) porque o que lhe fizeram, na ausencia de qualquer culpa, é uma vergonha sem limites e, como tal, não passível de compensação. Se vires aí o mano Pedro, diz-lhe que eu o mandei para a puta que o pariu. Desculpa a expressão, mas, parafraseando outro 'Processo', o calão também se usa na Internet e há terras em que esta expressão não constitui qualquer ofensa, antes pelo contrário.