terça-feira, 9 de junho de 2009

Acusação nas vésperas das europeias, desculpas depois...

Investigadores admitem erro
Ministério Público atribuiu ao mandato de Sampaio casos do executivo de Abecassis

08.06.2009 - 11h39 Lusa
A equipa que investigou a entrega de casas pela Câmara de Lisboa a famílias carenciadas atribuiu de forma errada ao mandato de Jorge Sampaio casos do executivo liderado por Kruz Abecassis, revela uma nota enviada à Lusa.De acordo com uma informação da Unidade de Investigação Especial, os casos imputados ao mandato de Jorge Sampaio dizem respeito a casas atribuídas a 16 de Janeiro de 1990, quando o ex-presidente da autarquia tomou posse apenas no dia 22. “O mandato do Dr. Jorge Sampaio é cronologicamente limitado de 1989 a 1995, sendo certo que este só tomou posse a 22.01.90”, pode ler-se na nota enviada à Lusa, assinado pela procuradora Glória Alves e que acrescenta que foi apresentado um pedido formal de desculpas a Jorge Sampaio. “Atendendo que se trata de um lapso material relativo a factos cujo procedimento criminal se encontra prescrito, que não foram investigados e que não foram alvo de imputação subjectiva de responsabilidade criminal, procedeu-se à sua eliminação”, acrescenta a nota. A referência aos indícios de abuso de poder na atribuição de casas municipais no tempo do mandato de Jorge Sampaio foi feita no despacho de arquivamento tornado público na passada quinta-feira. Na ocasião, Jorge Sampaio reagiu acusando o Ministério Público de deslealdade e disse muito o espantar que o MP se pronunciasse agora, “inutilmente, sobre factos de há mais de 13 anos”. (...).

Pois é. E quantos reterão, para memória futura, o pedido de desculpas quanto a uma notícia que fez manchetes nos jornais? Se os casos estavam prescritos, não bastaria dar conta disso? Para quê imputá-los nominalmente se deles não poderiam decorrer consequências?

E, no entanto, isto evitava-se com mera consulta ao calendário, olhando datas.

O timing, para a acusação e para as desculpas, deve ser mero pormenor.

1 comentário:

Arriaga disse...

Mais um tributo do MP à bandalheira em que a Justiça deste País se tornou.