quarta-feira, 6 de julho de 2011

Chulos, agências de rating e os amigos destas…



São umas meretrizes as agências de rating. Reparem que não escrevo putas, porque isso seria ofensivo, e meretriz tem mesmo raiz no latim de Cícero: meretrice. Coisa fina, pois então.
Mas, embora finas, ainda não têm estatuto que lhe permita um trabalho independente, com ou sem recibo verde, pelo que preferem o trabalho precário, através do encosto na chulice: os tais mercados, os fundos de investimento, a banca, o sistema financeiro em geral, o que de mais asqueroso existe no que se insiste ser a mais antiga profissão do mundo, estando por saber quem primeiro apareceu: se o chulo, se a puta. Desculpem: a meretriz.
Nas suas análises para a chulice as meretrizes informam sobre o desempenho dos seus clientes: as negas (default), a ejaculação precoce (risco de bancarrota), o nível de rigidez do membro (robustez das medidas em curso), a irregularidade da erecção (solidez do apoio político aos programas), a resposta à estimulação erótica (impacto das medidas), marca dos preservativos (risco de derrapagem) …
Por equívoco, nos relatórios das meretrizes não pode ser usado o termo teso, não se fosse confundir a falta de massa com qualquer notação AAA+. Para isso já basta a barraca com o Lheman Brothers.
Mas as meretrizes não dispensam os amigos que são verdadeiras antenas de informação sobre os clientes a classificar: duques, medinas, camilos, guerreiros, cavacos, leites, cantigas, marcelos e tantos mais. Mesmo que opinem apenas de acordo com as suas preferências ideológicas e partidárias. E há que dizer que as putas – sabem que quero dizer as meretrizes – até são mais objectivas, porque os interesses dos chulos não variam de acordo com as circunstâncias. Chular sempre foi isso mesmo: chular. Até ao tutano.
Uma coisa diverte as meretrizes – ou as putas? : a indignação dos seus amigos quando os seus relatórios ou notações passam a ser inconvenientes, em determinado contexto. Idiotas inúteis, admitem, tais amigos, que têm mais poder que os chulos ou mesmo que as meretrizes (ou serão mesmo putas?).
E assim se explicam coisas muitos simples aos pequeninos. Porque este jogo de putas e chulos não é para todos. E é mesmo negócio muito perigoso, cobiçado por máfias e outras seitas.


3 comentários:

Francisco Clamote disse...

Brilhante! Cumprimentos.

José Teles disse...

Bem visto. A indignação, serôdia, dos amigos dessas putas ricas, que ainda há bem pouco tempo apoiavam as ditas notações, e que agora rasgam as vestes e lhes chamam "terroristas" dá que pensar. Onde é q isto vai parar?

emanuel disse...

Estou de acordo com tudo quando se diz que e lixo no dia a seguir a procura e maior que a oferta desse tal lixo que estas agencias dizem tenham vergonha e nao usem os paises como peças de tabuleiro provocando prejuizos elevados para a economia destes paises