sábado, 8 de junho de 2013

Um dia fui a Pavia...

...e conheci a anta, transformada em capela. E a Casa-Museu Manuel Ribeiro de Pavia. E fiquei a saber quão importante foi este artista, sobretudo no campo da gravura e, a partir daí, na apresentação gráfica de um livro. Quando a capa de um livro era, então, reportório de obras de arte. E muitos foram os livros ilustrados por Manuel Ribeiro de Pavia, particularmente nos anos 40 e 50 do século passado. Livros de Namora, de José Gomes Ferreira, de Redol, de Mário Dionísio, de Régio… com quem conviveu.
Manuel Ribeiro de Pavia deixou uma obra marcante apesar do seu prematuro desaparecimento no dia em que fez 47 anos, em 1957.
 Anta de Pavia
 Manuel Ribeiro de Pavia
 Casa-Museu Manuel Ribeiro de Pavia, em Pavia
 Capa de Manuel Ribeiro de Pavia
 Capa de Manuel Ribeiro de Pavia
 Capa de Manuel Ribeiro de Pavia
Capa de Manuel Ribeiro de Pavia

2 comentários:

Margarida Rodrigues disse...

Aprecio muito o seu blog. Todos os dias tenho visitado o mesmo e delicio-me com os seus trabalhos. Gostaria muito de encomendar. Espero que continue com o bom trabalho.

Cumprimentos

Margarida Rodrigues Fonseca Dias
http://www.europeanemaildatabases.com

C.B. disse...

Gostei do post. No entanto, permita-me uma pequena observação: Manuel Ribeiro de Pavia morreu no dia em que fez 50 anos, e não 47. Têm ocorrido algumas confusões a este respeito, mas, em 2007, a J.F. de Pavia e outras entidades levaram a cabo as comemorações do centenário do nascimento e do cinquentenário da morte de Pavia.
A própria wikipédia faz confusão com as datas, mas refere que o pintor "morreu em 19 de Março de 1957 - precisamente no dia em completava 50 anos - no seu quarto-atelier, numa pensão na Rua Bernardim Ribeiro em Lisboa".

Um abraço e parabéns pelo blog.