quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Isto sim, é modelo sem tretas...

Quem tiver estado atento a Mário Nogueira nos últimos tempos (por exemplo, na entrevista recente de Constança Cunha e Sá), ouviu-o certamente garantir que a Fenprof tem apresentado vários projectos de avaliação dos professores. Afinal, só existe um projecto, reproduzido em dois desdobráveis (link).O mesmo Mário Nogueira prometeu há dias que iria reformular o projecto (o dos desdobráveis), apresentando uma alternativa ao modelo simplificado aprovado em Conselho de Ministros. Afinal, também não o fará:
Admitindo que esta é a última palavra da Fenprof sobre a avaliação, vale a pena conhecer a forma como Mário Nogueira quer que os professores sejam avaliados.A avaliação constaria de quatro passos:
1º passo — auto-avaliação, também designada por “auto-análise”, “deverá (…) partir do próprio avaliado” e culmina numa proposta de classificação feita pelo próprio;2º passo — co-avaliação, em que todos os professores são simultaneamente avaliadores e avaliados, fórmula que “resolve o problema do reconhecimento da autoridade do avaliador uma vez que há a co-responsabilização de todos os pares”;3º passo — aferição processual da avaliação de desempenho, em que são aprovadas as propostas de classificação elaboradas pelos avaliados;4º passo — avaliação externa da escola, “dirigida à escola e não ao professor (…), em ordem a promover a sua qualidade.”Se o leitor quiser aferir a consistência da proposta da Fenprof, o melhor é mesmo lê-la. Para ser franco, duvido que tenha sido elaborada por professores, atendendo aos momentos quase hilariantes que a sua leitura proporciona. Para estimular a curiosidade do leitor, eis o primeiro parágrafo da proposta:

“O saber profissional constrói-se dentro das regras e dos conhecimentos que os próprios profissionais geram ou dominam. Deste modo, é inviável avaliar contra os docentes, é inviável avaliar desvirtuando o princípio primeiro da qualidade educativa em nome de interesses sociais ou políticos externos à educação. A avaliação do desempenho docente só será credível e reconhecida se orientada para a melhoria efectiva do desempenho, se tiver no seu horizonte o desenvolvimento e o progresso das instituições e das nações e, nesse sentido, ela terá de ser intrínseca aos professores e educadores, participada e co-construída pelos próprios.”
Miguel Abrantes, do blogue Câmara Corporativa

3 comentários:

lupe disse...

Percebi mal ou o primeiro parágrafo da proposta da Frenprof quer propor que a avaliação só deverá ser praticada no seio da instituição escolar e seus docentes, sem mais agentes a interferir?

A. Moura Pinto disse...

Lupe
A avaliação ser feita no interior da escola, entre docentes, não é problema. É mesmo o que se prentende, no âmbito da autonomia das escolas.
A diferença está no facto de a Fenprof pretender que a avaliação assente na autoavaliação, enquanto o ministério exige que haja um avaliador e um avaliado. E que, naturalmente, isso tenha repercussões nas carreiras. Mas a Fenprof já não se bastaria hoje com a autoavaliação. Agora quer acabar com a categoria de professores titulares e, ainda, com as quotas. Ou seja: agora questiona tudo e não apenas a avaliação.

Milu - miluzinha.com disse...

Era exactamente isso que eu queria perguntar e não fui capaz! É preciso ser cretino para se propor a uma coisa dessas! Auto-avaliação para professores! Não são eles detentores de conhecimento e eternos estudantes, basta que,para isso, preparem as aulas? Então, medo de quê? De perder privilégios , está visto, é melhor para eles manterem a cortina de fumo!...