sexta-feira, 21 de novembro de 2008

A Byblos fechou ontem...

Uma área com 3.300 metros quadrados, um fundo editorial com mais de 150.000 títulos.

Fechou ontem, talvez muito por culpa da sua localização, escolha pouco feliz.

E acabaram as minhas idas, papel na mão junto aos ecrâs tactéis e que, comodamente, permitiam a localização exacta dos livros a comprar.

Havia ali quase tudo, bem ao contrário daquilo em que se transformaram outras livrarias que só exibem o que as editoras pagam para que nos seja atirado aos olhos, tal e qual um supermercado. Apenas novidades do momento.

A Byblos era bem diferente, com os seus 150.000 títulos. Livros de hoje e, sobretudo, de sempre.

E acabaram também outras iniciativas diárias de acesso livre, num espaço bem simpático.

Há coisas que deveriam ser proibidas, como saber que não voltarei a receber neste PC a Newsletter semanal da Byblos.

1 comentário:

Dulcineia disse...

Pois é, bem que te compreendo... Tens razão quanto ao local. Tirando a abertura, só lá voltei pq a faculdade estava ali ao lado. As várias vezes que lá fui, estava às moscas. Reflexo do país e época em que vivemos, onde correr riscos é arriscado... num país de monopólios e de bancos.Se não me falha a memória, lembro-me do americo areal, qdo vendeu a parte dele da asa à leya, embora projectasse uma 2ª byblos na baixa portuense e posteriormente outras lojas, comentar que 1/2 da venda da asa teria sido atribuída à família, para o caso deste negócio correr mal.
Bem, ao menos conhecemos um novo conceito, no país errado.
E resta-me o caotismo da fnac a concorrer com o estado da m/mente quando me interrogo sobre muitas coisas e a curiosidade da wooks, da PE, aínda só norte.
Ah, é verdade, restam-nos tb as telenovelas, rs - noutro dia dei por mim a ver a tvi. Enuanto fui á cozinha e voltei, não conseguia apanhar o seguimento da telenovela... até q percebi, ser outra à qual se seguia ainda outra...de ler algures que o canal estava de paraéns por privilegiar a produção nacional. Foi você que pediu uma Byblos? para quê?