domingo, 3 de maio de 2009

Jornalismo de referência na SIC-N

“Mário Crespo andou um tempão a servir a agenda do governo no seu programa Jornal das 9. A cadeira dos convidados parecia a cadeira do poder, de tanto que nela se sentaram os ministros Silva Pereira e Santos Silva. No auge desta opção editorial, o jornalista afirmou em entrevista ao Semanário Económico (15-01-09) que nas próximas eleições “provavelmente” votará (ou votaria) Sócrates; e noutra entrevista, ao CM (12-01-09), disse que “provavelmente” irá (ou iria) em breve para Washington por grandes temporadas (por coincidência foi anunciado esta semana pelo Diário da República que o próximo conselheiro de imprensa em Washington será Carneiro Jacinto, ligado ao PS). Entretanto a linha editorial de Crespo mudou e de que maneira (…) Mudar-se de opinião não é crime, nem para um lado, nem para o outro, mas 180 graus é muita mudança".
A ser assim, perdida a sinecura em Washington, Crespo vinga-se, ou pensa de outra forma, sei lá.
Quem escreve aquilo é este tipo, no Público de 02-05-09. Bem ao seu estilo. Sabendo o que vende e ele também não tem melhor, nem tal se justificaria no jornal do José Manuel Fernandes. Ao estilo de Crespo e com a mesma postura contra tudo o que seja PS e o seu governo, são coisas assim que lhe saem do seu “Olho Vivo” no Público. Na fronteira da bufaria, da delação.
Falta agora saber – publicamente, claro – o que terá levado Cintra Torres à sua escrita de mera, embora rasca, militância política. Com este jeito para a denúncia, aposto que chegará a denunciar-se a ele mesmo, caso lhe ocorra abordar umas nomeações havidas na RDP e de que nada terá gostado, ao que se diz.
Perante um espelho, um vê o outro. E a culpa não é do espelho.

1 comentário:

Rotiv disse...

Olá :)
Às custas do Caso da Cobra com Asas vim aqui parar ;)
Abraços
http://bloteigas.blogspot.com/