terça-feira, 15 de setembro de 2009

"A louraça legítima" do ternurento MEC


«A minha mulher começou a andar de peruca e está de tal forma uma brasa que os próprios sobrinhos, quando lhes mandei uma fotografia da tia, responderam-me com "kem és tu?", pensando que era alguma gaja gira a meter-se com eles. "They should be so lucky", como diria um judeu americano. A peruca é japonesa e hi-tech e já me está a tramar a vida. Não é por me sentir culpado por cobiçar a mulher de outrem. Como sou eu o outrem, até é sexy.
São os outros que pensam, quando me vêem com ela na nova peruca, que, mal descobri que tinha um cancro, arranjei outra. Houve um cozinheiro, muito nosso amigo, que chorou quando nos viu, sentados na nossa mesa do costume, a namorar. Disse ele: "E eu que gostava tanto do Sr. Miguel!" Como é tão boa pessoa como bom cozinheiro, até faz esparregado para ela, já que a quimioterapia altera um bocado os gostos.
Mas, quando o empregado lhe pediu, para além dos carapaus, um esparregado para nós os dois, ele atirou a colher ao chão e gritou: "Eu para essa não faço esparregado! Só faço para a Sra. Maria João!"
Como quem diz: este adúltero não só deixa a mulher, mal ela adoece, como tem a lata de pedir, para as amásias, os petiscos que aliviam a doença da legítima!
Começam a tratar-me mal. Eu faço questão de dizer, a todos que passam por mim, "Esta é a minha mulher, calma!" Mas na estrada é difícil.
E ela não ajuda, porque diz sempre: "Deixa-te de fitas, querido. Tu sempre odiaste a tua mulher..." »
Público, 11-11-09

E reproduzo lembrando a São, o Mário e a Catarina.

2 comentários:

Anaquariana disse...

Não é qualquer pessoa que tem esta postura face às adversidades da vida, assim como não é qualquer pessoa que escreve este 'Elogio ao amor'. Só mesmo o MEC com toda a sua inteligência, sensibilidade e ternura. Sentido de humor também.

"...O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto. O amor é uma coisa, a vida é outra. A vida às vezes mata o amor. A "vidinha" é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não é para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende.
o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem. Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado,viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder. Não se pode resistir. A vida é uma coisa, o amor é outra. A vida dura a Vida inteira, o amor não. Só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também..."

conceição disse...

Armando, obrigada pela dedicatória. Só mesmo tu. ADOREI.
Desculpa a demora
Beijos da mana amiga, São